Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 21 de abril de 2013

UM ANO DE FALECIMENTO






























O Blogueiro que vos escreve comunica a toda a sua pleiade o primeiro ano de falecimento da cadela Suzineia Peixoto de Azevedo.

A dita criatura já vinha convalescendo de uma doença incurável há algum tempo, e há um ano nos deixou.

A eutanásia apenas abreviou o sofrimento.

Mas, a lembrança da canina ainda permanece

sábado, 4 de fevereiro de 2012

ESTOU EM NOVO BLOG



Quem tiver saco para ler o que escrevo, pode (se quiser, claro) dar uma passada em http://opilantraodenoticias.blogspot.com

Te vejo lá!

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

CANELEIROS - 25ª EDIÇÃO



Não adianta procurar a 24ª edição de nossa coluna.

Caneleiros é um espaço futebolístico-machista-heterrosexual-preconceituoso-fundamentalista e inimigo do número 24. E temos dito.

No entanto, temos um pezinho na TV, e diante dessa onda de programas de confinamento, resolvemos criar o nosso...

BIG BOLEIROS BRASIL.

Veja a seguir os nossos participantes:

Adriano: responsável pelos churrascos na casa, dificilmente deve ser o vencedor de nossa gincana. De certo, deve sentir saudades de casa (leia-se algum morro carioca, mermão), perto do aconchego dos "parceiros".

Kléber: diz que está no programa por amor à TV,que adora novos desafios... mas, se aparecer uma proposta no meio da empreitada, ele cai fora. A menos que recea um belo aumento.

Ronaldinho: se Adriano é responsável pelo churrasco, Ronaldinho é responsável pelo pagode. Se não tiver os conselhos de seu irmão-procurador-conselheiro-mentor-psicólogo Assis, estará perdido.

Roger: faz o tipo "já cheguei aqui como celebridade". Afinal, para quem já pegou a Leila, a Galisteu e tem a Deborah Secco esperando em casa, fica difícil entender o que ele faz no meio desse monte de barbudo.

Marcos: esse entrou para fazer a linha do bom camarada. Se irrita com facilidade, mas é um ótimo contador de casos e sujeito até engraçado do tipo caipira. Um dos favoritos à vitória.

Ronaldo: talvez o cara de maior prestígio antes de entrar no confinamento. Mas, como não tem forma física para participar das provas, e ainda por cima, acaba roubando a comida dos colegas, passará a ser mau colega.

Marcelinho: chegará com o estilo santinho, amigo de todos, mas será logo desmascado. Cínico e falso colega, logo será isolado.

Ricardinho: será o "amigo dus homi" na casa. Entregará para a direção do programa todas as conversas ao pé do ouvido não captadas pelos microfones da produção. ganhará famma de dedo-duro.

Juninho Pernambucano: agregador, líder natural, trabalhador, será junto com Marcos o bom moço da casa. Um dos favoritos do público.

Roberto Carlos: outro da linha baladeiro. Se formos fazer uma versão boleira de "Mulheres Ricas", com certeza ele estaria no elenco.

Dida: o "caladão" da casa. Conversa pouco, ri pouco, dá poucos sorrisos. Ou se salvará das intrigas, ou será linchado pelos colegas.

Como diz o narrador da Sessão da Tarde, "uma turmina muito louca aprontando todas na sua televisão"

domingo, 15 de janeiro de 2012

A MESMA LADAINHA DE SEMPRE

 http://geografiacastelo.blogspot.com/2009/09/deslizamento-na.html  



















Todo ano, especialmente nos períodos mais quentes, é a mesma coisa: a chuva faz estragos, levando histórias de vida, e o que é pior, muitas vidas.

Se não é possível derrotar a natureza, seria pelo menos possível atenuar a derrota? Claro, o avanço do conhecimento humano sabe como fazê-lo. Estudos já existem, e só não são postos em prática pela maldita burocracia na liberação e aplicação de verbas, que facilita a ida pelo ralo do dinheiro, quando é liberado.

As desculpas são sempre as mesmas:

"Estamos elaborando estudos para minimizar os problemas"

"Estamos aguardando verbas para executar os projetos"

"Ocorreu um atraso na liberação/licitação/execução"

"Choveu muito mais que o esperado"

"A topografia/ocupação da região amplifica os estragos"

Desculpas, desculpas, desculpas. O curioso é que ninguém lembra dessas possibilidades no período eleitoral, afirmando cabalmente ter na cartola a solução.

Isso vale para autoridades federais, estaduais e municipais, atuais e anteriores. Que sejam responsabilizadas criminalmente pelos danos que sua irresponsabilidade causou.

Chega de discursos prometendo verbas que nunca chegam, projetos que nunca serão executados, obras paliativas (semelhantes a dar aspirina para quem tem câncer). Chega de sobrevoos de helicóptero apenas para fingir preocupação, telefonemas de "solidariedade", e tapinhas nas costas.

Todos já sabem onde estão as áreas de risco, e qual o período de maior intensidade das chuvas. Essa balela de "no período x choveu y, enquanto o volume esperado para todo o mês era z" já não cola mais. As chuvas acima do "esperado" são constantes, e o discurso continua o mesmo. Assim com continua o mesmo o sofrimento de quem perde tudo o que lutou para conquistar durante a vida, ou perde uma pessoa querida.

Os responsáveis por esse caos deveriam ser enquadrados como homicidas dolosos. Multiplamente qualificados, sem nenhum benefício legal. Ou ainda mais, serem julgados como criminosos de guerra por crimes contra a humanidade.

O caos das chuvas não é apenas fatalidade, é insanidade.

Não me venham com aquela desculpinha de ocupação desordenada e dificuldades topográficas: a menos que na campanha eleitoral. No período eleitoral ninguém afirma não ter condições de minimizar os estragos, ou mais que isso, ninguém afirma que a culpa das tragédias recai sobre quem ocupou ou permitiu a ocupação desordenada. Sinceridade e política não combinam.

NEM TÃO BOM, NEM TÃO RUIM

Goleiros do Palmeiras levam faixa em homenagem ao ex-goleiro Marcos antes do jogo
Moisés Nascimento/AGIF

Depois de exatos 41 dias após o fim do Campeonato Brasileiro, o Palmeiras voltou a campo ontem, enfrentando o Ajax.Venceu por 1 a 0, com um gol de Pedro Carmona (!), já nos acréscimos.

Em campo, o time (como no ano passado), alternou bons e maus momentos: o ataque produzia, mas não concluía, o que não é nenhuma novidade. Nos primeiros minutos, na dúvida entre cabecear e chutar, Ricardo Bueno protagonizou um lance bizarro debaixo do gol. Quando entrou, Fernandão comprovou que era pior que o titular.

Pelo menos o time passou a depender um pouco menos das bolas paradas de Marcos Assunção, com uma boa melhora de Valdívia e uma partida com regularidade de Luan. Cicinho era uma boa opção pela direita.

A defesa corria riscos jogando adiantada em linha, e especialmente Leandro Amaro dava imensos sustos. Se não fosse Deola...

E ao Ajax?

Bom, o Ajax não é mais um time de primeira linha na Europa, mas também não é nenhum nanico. se não tem mais Luiz Suárez, pelo menos continua com um ataque rápido e um time bem organizado taticamente por Frank de Boer. Bom lembrar que sua eliminação na Champions foi no mínimo suspeita: derrota recheada de erros de arbitragem ante ao Real Madrid e um goleada mais que estranha do Lyon sobre o Dinamo de Zagreb.

Também vale lembrar que os holandeses fizeram nove alterações, contra seis dos palmeirenses, e que estavam mais a passeio do que por pré-temporada.

Com Marcos nas tribunas e homenageado em campo, o Palmeiras entrou em campo com o logotipo da Fiat na camisa, sem receber nenhum centavo por isso. A diretoria disse que era uma "homenagem" à antiga parceira. Legal, dinheiro é uma coisa que jorra nos cofres do Palestra mesmo...

Fora de campo, Scolari, Frizzo e Tirone voltaram a se colidir.

Para centroavante, Scolari que Hernán Barcos, da LDU, que já revelou o desejo de jogar no Palmeiras, mas a diretoria quer Luis Caballero, do Olímpia. Tirone, por sua vez, disse que nem começou a negociar com o jogador, e Frzzo disse que não sabe de nada.

Assim fica difícil.





sábado, 14 de janeiro de 2012

CALA A BOCA, GALVÃO (AGORA NO UFC)



Galvão Bueno é uma figura contraditória.

Por um lado, é capaz de narrar diversas modalidades com conhecimento de regras, de dinâmica de jogo, sabendo o vocabulário específico de praticantes de diversas delas. Também é capaz de segurar um transmissão sozinho, sem ter que recorrer à lugares comuns e sem cair no marasmo.

O problema é esse: o seu conceito de fugir do marasmo. O seu conceito de fugir do marasmo.

O locutor titular da Globo abusa do ufanismo, como ele mesmo afirma. "Sou um vendedor de emoções", afirmou certa vez. Emoções exageradas, não raras vezes.

Vamos ao caso:

A Globo, percebendo a popularidade do UFC, comprou os direitos de transmissão dos eventos promovidos pela organização chefiada por Dana White, que entrara na TV aberta brasileira via RedeTV. No UFC Rio ano passado, a claudicante emissora chegou a liderar a audiência, coisa que salvo engano só o Pânico na TV havia conseguido naqueles lados.

Ao estrear nas transmissões, Galvão já lançou mais um bordão: "Gladiadores do Terceiro Milênio".

Menos...

Basta recorrer à História, que os Gladiadores na Roma Antiga eram apenas massa de manobra para distrair a população. Até aí, nenhuma singularidade: a política do "pão e circo" é adotada até hoje mundo afora.

Mas, é bom lembrar que nas lutas nas arenas romanas, o objetivo era matar o oponente. Logo, não dá para comparar um evento sangrento com esporte.

Se bem que esse MMA não dá para ser chamado de esporte: eu me recuso a considerar como tal uma modalidade cujo objetivo é espancar o adversário. Esporte é algo que deve fazer bem à saúde, por princípio, e atletas devem gozar de boa saúde.

Está bem, você pode lembrar as inúmeras lesões em outros esportes, com mortes em campo (caso Serginho, em 2004), os atletas que pararam pelo caminho com o corpo pedindo arrego, ou os que continuam na base de um sacrifício incrível.

Mas, daí a comparar o MMA com outros esportes é covardia: no futebol, o objetivo é fazer a bola passar pela baliza adversária; no vôlei, é tocar o chão da quadra adversária, e mesmo o Judô, outro esporte de luta, o objetivo não é destroçar fisicamente o rival.

Entrevistado por Marília Gabriela, Vítor Blelfort chegou a dizer que o MMA é menos violento que o futebol, e citou o caso das torcidas organizadas. Primeiro, torcedor organizado em sua maioria é bandido ou associado à bandidos, e nem entra em campo; segundo, comparemos a quantidade de lesões de um lutador de MMA com a de um jogador de futebol. Depois, digamos qual modalidade é mais violenta.

Outra coisa: uma análise desse UFC, mesmo que superficial, já deixa claro que é um evento comandado pela trupe de Dana White: os oponentes são escolhidos pela organização sem que ela precise justificar os critérios; lutadores não se associam à "liga", apenas são contratados por ela para lutar onde e contra quem a organização determinar.

Não se pode negar, que já que é um evento, o UFC é primoroso nisso: ações de marketing de dar inveja à antiquada cartolagem e os moleques marrentos do futebol. Aqui no Brasil, no ramo das lutas, já deixou o boxe para trás há muito tempo. Anderson Silva, Vítor Belfort, José Aldo, Minotauro, Minotouro, e mais alguns já são figuras midiáticas, enquanto o boxe agoniza sem ídolos.

Lutadores podem ter preparação de esportista, mas chamá-los de esportistas é demais.

Arte marcial deve servir para defesa, não para agressão, por mais que regras limitem parcialmente os danos físicos. A imagem do rosto de um lutador, quase desfigurado pelos golpes, já diz tudo.

Por mais que navegue contra a corrente, continuo dizendo que MMA não é esporte.

Não assistirei o UFC Rio hoje, mas já posso mandar Galvão Bueno calar a boca por antecedência

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

SEM MANIQUEÍSMOS

Ônibus do sistema Transcol, placa MSJ 5466, Viação Netuno, Linha 572, incendiado durante protesto no Centro de Vitória.

Nos protestos do ano passado, eu estava mais pendente para o lado do movimento estudantil.

Não uso mais o sistema de ônibus, mas sei como é cruel a vida de quem usa, mas pela porcaria de serviço que é oferecido, qualquer aumento seria ultrajante.

Fechar as principais vias de trânsito em uma cidade como Vitória é cruel, mas sinceramente, não tem outro jeito.Conquistas exigem sacrifício.

Só não concordo com a ideia de passe livre para os estudantes, a menos que seja para o deslocamento envolvendo o local de estudos. Cultura e lazer é um direito da população em geral, não apenas de quem frequenta a sala de aula. Ainda mais se pensarmos que por motivos óbvios, o conjunto de usuários pagará pelo privilégio.

O movimento estudantil, que reconheçamos, representa pequena parte da coletividade, se contentou em negociar o passe-livre, deixando de lado o preço da tarifa.

Além do mais, baderneiros e desocupados por lá não faltam.

E agora em Janeiro, o Governo, amparado pelo chamado Conselho Tarifário, reajusta o preço das passagens, quase que na surdina, aproveitando as férias dos estudantes.

Confesso que não tenho conhecimento da planilha, mas pela minha experiência em Contabilidade, sei que uma planilha, assim como um balanço, podem ser peças de ficção, sem nenhuma dificuldade. me lembro que anos atrás, empresários pediam reajustes de x%, alegando que seria o valor mínimo para viabilizar o sistema. O valor era bem menor que isso, e nem assim, o sistema quebrava.

Aliás, empresas de ônibus são negócios para lá de lucrativos.

E a CPI do Transcol, que ninguém mais fala?

Sei que existe o discurso da "ordem" e do "respeito á lei", mas se isso for levado em consideração à ferro e fogo, nenhuma manifestação seria tolerável. A questão aqui são os métodos utilizados.

Incendiar ônibus é coisa de terrorista, e seja lá quem for o responsável, deve ser severamente punido, seja ele manifestante ou alguém infiltrado.

E que sejam investigados também os excessos da PM. Liberar o tráfico usando a força da lei é uma coisa, agora prender e tomar equipamento de quem fotografava e filmava os acontecimentos é coisa de gente que quer esconder alguma coisa errada.

É preciso pensar com calma no que ocorreu, e buscar fontes confiáveis para a análise. Por fontes confiáveis, exclui-se a imprensa local, que só ouviu um dos lados.

Tive a oportunidade de ler A TRIBUNA ontem. Coisa vergonhosa, parecia um jornaleco chapa branca, o que não me estranha, se lembrarmos o caso da censura à coluna de Elio Gaspari, a serviço do governo estadual. Como ouvi certa vez, "jornalista não precisa ter opinião, quem tem que ter opinião é o dono do jornal". E como a opinião da imprensa está no canhoto do talão de cheque do governo, através de generosas verbas publicitárias.

Então, vamos com calma...

REFLETINDO ACERCA DOS RELACIONAMENTOS



"Gente postando no Face que agora só vai namorar depois do carnaval. Se não quiseram você até agora, quem é que vai querer depois?"

(Em algum lugar do Facebook)

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

OS DOZE MANDAMENTOS DE SÃO MARCOS



No dia em que Marcos anunciou oficialmente a sua despedida foram criados...

12 mandamentos de São Marcos de Palestra Itália

1- Não serás desleal com teu adversário

2- Jamais se curvarás e lutarás, por toda a sua vida, contra os malefícios dos Corinthios Gambáticos da Marginal Sem número

3- Não te sentirás melhor do que ninguém

4-Honrarás teu manto alviverde, como a ti mesmo

5- Amarás ao Palmeiras sobre todas as coisas

6- Carregarás em suas mãos os corações dos milhões de torcedores palmeirenses

7-Não trocarás teu amado clube por trinta dinheiros

8-Despertarás o respeito da torcida adversária

9-Elogiarás teu próximo sem esperar retribuição

10-Liderarás teu grupo mantendo a amizade e o respeito de todos

11-Não vestirás outra camisa que não seja o manto sagrado esmeraldino do Palmeiras

12- Defenderás a meta palmeirense com todo o fervor de sua alma palestrina!

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

AS MELHORES FRASES DO SEU MADRUGA



Um  dos personagens mais marcantes da turma do Chaves, foi sem sombra de dúvidas o Seu Madruga. Com seu jeito ingênuo e ao mesmo tempo espertalhão, ele consegue arrancar, com suas exibições atrapalhadas, boas risadas. Veja abaixo as melhores e mais marcantes frases do Seu Madruga!

Estou falando com a mula, não com seus carrapatos!
Mas é muita barriga, Senhor Bondade... Digo, digo...
Tá me chamando de troglodita? Ah, bom... Pensei que tivesse dito poliglota.

Se soubesse que tinha mandado um idiota fazer isso, tinha ido eu mesmo.

Não consigo uma boa recomendação de trabalho do meu último patrão porque ele morreu há vinte anos.

Não há nada mais trabalhoso do que viver sem trabalhar.

Minha senhora, se acha que pode me comprar com alguns presentinhos, eu vou lhe dizer uma coisa... eu aceito!

Eu sabia que você era idiota, mas não a nível executivo!

Eu sempre deixo as vagas de empregos para os mais jovens, e venho adotando essa nobre atitude desde os meus 15 anos!

A vingança nunca é plena, mata a alma e envenena.

O porco perde os dentes, mas não perde a barriga.

Não existe trabalho ruim. O ruim é ter de trabalhar.

NOTÍCIAS DESIMPORTANTES - 23ª EDIÇÃO




"Nasce o filho de Marcus Buaiz e Wanessa Camargo"

O Rafinha Bastos deve ter passado no hospital, com certeza...

APOCALIPSE NEWS - 18ª EDIÇÃO



"Hoje começa mais um Big Brother Brasil"

Precisa de comentários?

Só uma pergunta: quando acaba essa merda?

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

CANELEIROS - 23ª EDIÇÃO



Continuamos nossa programação de férias.

Nosso editor Astrosomildo Peçanha, fã de novelas (de qualquer tipo, até aqueles dramalhões mexicanos) resolveu criar um festival dramatúrgico com os nosso futebol.

Confira as atrações:

O Astro (Neymar) - o Justin Biebber da Baixada faz sucesso nos campos, na TV, canta em parceria com Michel Teló, ataca de ator Malhação, e até virou galã das meninas de espinha na cara. Precisa mais? (Precisa, mas o Barcelona não deixa).

Cambalacho (Andrés Sanches) - o mandatário corinthiano arranca 400 milhões em incentivo da Prefeitura Paulistana, outros tantos do BNDES, mais uma tungada do Governo Estadual, e pronto... faz o esperado estádio do clube às custas do erário.

Deus nos Acuda (Palmeiras) - Kléber e Valdívia arranjando uma confusão atrás da outra, Felipão e Frizzo em guerra nos bastidores, presidente sem pulso, torcida organizada espancando jogador, ameaça de rebaixamento, fracasso nas contratações...  o Palestra precisa de um descarrego.

Sassaricando (Ronaldinho e Adriano) - a noite carioca ou de qualquer lugar do mundo é pequena para eles. Futebol é apenas um detalhe.

O Dono do Mundo (Ricardo Teixeira) - para o chefão da CBF, as coisas estão claras: quem manda na Copa é ele, e quem paga a conta somos nós. E para qualquer reclamação que não seja da Globo, ele está cagando de montão, segundo as palavras do próprio.

Fera Ferida (Dunga) - Dunga saiu linchado do Mundial de 2010, e a cada fracasso dos Manos do Mano, ele faz um churrascão em Porto Alegre com aquela cara de "viu como eu tinha razão?"

A Próxima Vítima (Mano Menezes) - Mano assumiu com a ideia de "recuperar o protagonismo do futebol brasileiro", ou na tradução literal, jogar no ataque. Até que tentou, só se esqueceu de botar o time para fazer gols. Não ganhou de nenhuma seleção top de linha, e ainda saiu da Copa América nas quartas só ganhando um dos quatro jogos.

Renascer (Vasco) - três anos atrás, o time da Colina era rebaixado no Brasileirão. Terminou 2011 como campeão da Copa do Brasil, beliscando o Brasileiro e a Sul-Americana. Ainda de quebra, a reação após os problemas de saúde de Ricardo Gomes trouxeram simpatia para o clube, apagando de vez a imagem dos tempos de Eurico Miranda.

Vale Tudo (Imprensa Esportiva) - na briga por audiência, o nível desceu: sensacionalismos, manchetes falsas, notícias inventadas ou requentadas, provocações, ou qualquer coisa para prender o torcedor, mesmo que a qualidade vá para o saco.

A Viagem (Santos) - o time do Peixe embarcou rumo ao épico jogo contra o Barcelona, crendo firmemente na vitória. Tomou uma sova daquelas.

Gente Fina (Ronaldo) - depois de deixar os gramados, virou agente de jogadores, homem de negócios, membro do Comitê Organizador da Copa. enfim, entrou para a fina flor do mundo dos negócios esportivos. Só não afinou o corpo, né, Bolão?


domingo, 8 de janeiro de 2012

DEZ MOTIVOS PARA ARNALDO TIRONE SAIR DO PALMEIRAS



1. Seu grande mote de campanha era a reorganização financeira-administrativa do clube. Pois bem: as dívidas continuam crescendo, e o clube continua gastando muito e gastando mal.

2. Tirone foi omisso com o Departamento de Futebol, entregando-o (via acordos políticos) à Roberto Frizzo. O resultado é o que vemos.

3. Tirone não tem o menor pulso: enquanto Kléber e Valdívia comandavam rebeliões em cena aberta, o presidente estava viajando ou escondido debaixo da mesa em seu gabinete.

4. Scolari e Frizzo não se suportam, disso até a grama do CT sabe. Certo, não precisam ser amigos de infância, mas não podem entrar em guerra aberta sem que o mandatário do clube faça algo para impedí-los de implodir o clube.

5. O Palmeiras virou alvo de chacota no mercado de contratações: o Fluminense bateu dois carimbos de besta na testa da diretoria alviverde ao passar a perna nas contratações de Martinuccio e Wágner. por exemplo. Isso sem contar os casos de Edson Silva, Vítor Júnior e mais uma penca de jogadores.

6. Se não há dinheiro, que se busque parceiros, é a regra do mercado da bola. O Vasco fez isso no início do ano, e montou um time cheio de refugos que fez bonito na temporada. E o Palmeiras, nada!

7. Em tempos de ousadas ações de marketing, o alviverde sequer tem um "patrocínio master" na camisa: a Fiat nem quis saber de renovação, e outras "interessadas", como a JAC Motors parecem não se empolgar muito em estampar suas logomarcas na camisa verde.

8. Tirone está cada vez mais isolado politicamente: até mesmo ex-presidentes que o apoiaram, como Mustafá (credo!) e Della Monica, já pularam fora do barco. Cada vez mais fica claro que será presidente de um mandato só.

9. Aceitar que membros da facção criminosa Mancha Verde adentrem em uma reunião, enfiem o dedo na cara da diretoria, e exijam a suspensão da contratação de Richarlysson por motivos homofóbicos, e o presidente ache isso normal, é o cúmulo da bananice.

10. O Palmeiras virou motivo de vexame para a torcida: o melancólico fim de Brasileirão (o pior dos quatro paulistas no torneio), somados ao tenebroso horizonte em vista vislumbram um 2012 desesperador para os palmeirenses.

sábado, 7 de janeiro de 2012

QUE VERGONHA, DESPORTIVA!

Corinthians e Desportiva

Pesquisando nos meus alfarrábios, constato que o último jogo da Desportiva exibido em TV para rede nacional foi na Taça São Paulo de 2008, quando a ainda Desportiva Ferroviária foi honrosamente eliminada pelo Internacional.

Na partida anterior, eliminou o forte Corínthians, diga-se de passagem.Nesse tempo, toda a sorte de desgraças se abateram nos tempos de Desportiva Capixaba.

E nesse tempo de reconstrução, ainda sob o escudo da Capixaba, os grenás voltaram à telinha em rede nacional para enfrentar o Corínthians, na mesma competição. Ninguém esperava em são consciência o repeteco da façanha de quatorze anos atrás, mas o vexame foi demais.

Não pelo placar (2 a 0, construído nos primeiros quinze minutos), mas como tudo aconteceu.

A Taça São Paulo há muito tempo se tornou um camelódromo de jogadores, que tentam se destacar no meio de uma infinidade de aspirantes à fama, e o pior, onde atravessadores tentam vender suas peças nem sempre de qualidade como de fossem um futuro Bola de Ouro da FIFA.

E a Desportiva não foge à regra: apesar de ter um time de base fixo, que conquistou em campo o direito de participar da competição, "acolheu" jogadores na última hora, sabe lá com que propósito. Mas isso ainda não é pior.

Em campo, se via o Corínthians brincando de jogar bola, abusando do preciosismo, fazendo uma partida apenas protocolar contra um adversário inofensivo, que só chegava ao ataque com a colaboração de uma defesa desleixada do time do Parque São Jorge.

Superioridade garantida pela absurda diferença física entre as equipes, naturalmente explicada pelas condições estruturais de cada uma. Parecia um jogo de profissionais contra amadores, mesmo se levando em conta o teto de 18 anos da competição.

Mas, ainda tem o pior:

Como pode uma equipe ir para um torneio desses sem goleiro de ofício?

No início da partida, Vítor, a quem Cosme Eduardo (o técnico grená) definiu como "lateral e goleiro" fazia o possível, até se machucar e ser substituído pelo meia Gabriel (isso mesmo!) que fez milagres no gol, mesmo jogando com a luva emprestada do companheiro substituído.

A transmissão ainda pegou leve com essa zona: o comentarista Denílson fez questão de elogiar Gabriel e lhe incentivar, apesar das dificuldades. Mas, com razão não poupou a desorganização da Desportiva, que sequer tinha material médico para socorrer Vítor.

Assim não dá.

Se for para passar um vexame desse tamanho, era melhor ter ficado no Espírito Santo se estruturando para tentar algo melhor no futuro.

A menos que outros interesses empurraram os garotos para esse papelão.

Em tempo: na partida anterior, a Desportiva foi goleada pelo Juventus por 6 a 0, com quatro gols nos últimos dez minutos. Traduzindo: faltou perna.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

CANELEIROS - 22ª EDIÇÃO



Bom, futebol brasileiro de férias após o Mundial de Clubes...

Mundial de Clubes? GOOOOOOLLL DO BARCELONA!!!

Mercado mais na base dos boatos, então a nossa redação fez uma escolha, a dos piores do ano.

A BOLA DE LATA DE 2011!


Vamos aos "agraciados":

Goleiro:

Renan (Corínthians): no primeiro semestre, o destaque do Avaí era a mais novo joia do gol brasileiro, candidatíssimo à titular nas Olimpíadas, disputado à tapa por alguns dos principais times do país. Preferiu o Corínthians, onde o cambaleante Júlio César perderia a titularidade assim que abrisse uma chance de um goleiro de nível atuar. E quando a chance apareceu, Renan falhou em dois jogos seguidos. E a joia virou bijouteria.

Zagueiros:

Henrique (Palmeiras): chegou com os objetivos de arrumar a defesa alviverde e retornar à Seleção. Nem de longe conseguiu o primeiro objetivo e só frequentou o banco naqueles joguinhos B contra a Argentina. Dá para entender porque não deu certo no Ajax, no Racing Santander e porque o Barcelona preferiu Chygrysky.

Chicão (Corínthians): entre 2008 e 2010 formou uma sólida dupla com William, mas esse ano, tudo degringolou. Afastado do time titular, o então capitão pediu para não sentar no banco, preferindo pular fora do navio antes que afundasse. Só que o navio chegou feliz ao porto, enquanto Chicão ficou de fora da festa, isolado em seu bote.

Laterais

Piris (São Paulo): na Libertadores, jogando pelo Cerro Porteño, parou Neymar: na Copa América, jogando pela Seleção Paraguaia (aquela que foi vice-campeã sem ganhar de ninguém), parou Neymar. No São Paulo, parou de jogar.

Juan (São Paulo): trocou a Gávea pelo Morumbi na esperança de até voltar à Seleção. Se depender do futebol de Juan, André Santos, Marcelo e cia podem ficar tranquilos entre os Manos do Mano. E no fim de 2011, com a contratação de Cortez (o feio-mor), Juan pode puxar a fila de dispensáveis no reino de Juvenal.

Meias:

Gilberto Silva (Grêmio): chegou para ser o líder do Grêmio em campo. O ex-jogador de confiança de Dunga vai precisar primeiro ter a confiança dos torcedores gremistas.

Kléberson (Atlético-PR): retornou para ser o grande comandante do Furacão nessa temporada. Acabou o ano no estaleiro, e assistindo o rebaixamento do time.

Ibson (Santos): jogar no timaço do Santos, qualquer um joga, certo? Errado. Ibson que o diga. O meia, objeto de desejo de boa parte dos clubes mal jogou e quando jogou, jogou mal. Seu ano se encerrou quando entrou aos 35 do 2º tempo na final de Yokohama, quando o Santos acabara de levar o quarto gol. Se fosse eu, ficaria sentado no banco.

Elano (Santos): começou o ano como destaque do time, suporte para que Neymar brilhasse, retornou à Seleção, passou a frequentar baladas, se envolver com mulheres famosas... e aí tudo degringolou. Chutou nas estrelas um penalti na Copa América, perdeu o lugar na Seleção, viu seu nome frequentar mais os sites de fofoca do que os esportivos, perdeu prestígio e a titularidade no Santos.

Atacantes:

Valdívia: brigou com felipão no início do ano, e se machucou; brigou com Chicão no Paulistão e se machucou; brigou na Seleção Chilena e se machucou. Entre brigas e contusões, algumas polêmicas conjugais,   confusões no twitter, e futebol que é bom, muito pouco. Afinal, confusões e contusões já tomaram muito de seu tempo.

Adriano: depois de passar em branco na sua passagem pela Roma, retornou ao Brasil, onde foi rejeitado pelo Flamengo. Acolhido pelo Corínthians, sob a tutela de Ronaldo, se machucou, demorou a se recuperar, ganhou mais peso, se meteu em polêmicas, marcou só um golzinho (depois de 15 meses), e terminou o ano na delegacia. O mesmo Adriano dos últimos tempos.





domingo, 25 de dezembro de 2011

POR ONDE ANDAM?



Em tempo de desgraças, é sempre bom saber por onde andam os jogadores que fizeram história por nosso time.

Só que nesse caso, história com h minúsculo.

Uns com mais culpa, outros com menos, outros sem culpa nenhuma.

Por onde andam os jogadores rebaixados em 2002?

Achei em uma dessas comunidades do Orkut (ele ainda existe!)

Goleiros


Sérgio - Itumbiara

Marcos - Palmeiras

D. Cavalieri - Fluminense

Gilvan - Bragantino

­

Defensores

Alexandre - Villa Nova/MG

Rubens Cardoso - Sertãozinho

Arce - Aposentado (Ultimo Clube: 12 de Octubre/PAR em 2006)

Léo Moura - Flamengo

César Beli - Aposentado (Ultimo clube: Mixto em 2009)

Marco Aurelio - Itumbiara (Em 2012: Audax de São Paulo)

Pedro Silva - Portimontense/POR (Em 2012: Novo Hamburgo)

Daniel Sabino - Aposentado

Thiago Matias - Ceará

Misso - Aposentado

Leonardo Devanir - Tupi

Adalto - Aposentado (Ultimo clube: Marilia em 2010)

Fabiano Eller - Al Ahli (Em 2012: São José/RS)

­

Meias

Celio - Sem Clube (Ultimo clube: Duque de Caxias em 2011)

Alex - Fenerbahçe/TUR

Neto - Aposentado (Ultimo clube: Tocantins em 2009)

Junior - Metalurh Zaporizhya/UCR

Jeovânio - Santa Cruz

Claudecir - XV de Jaú

Alceu - Grêmio Barueri

Pedrinho - Figueirense (2009) - Em 2012: Olaria

William Baiano - Primeira Camisa

Fernandes - Figueirense

Diego Souza - Vegalta Sendai/JAP

Galeano - Aposentado (Ultimo clube: Ituano em 2008)

Taddei - Roma

Flávio - Aposentado (Ultimo clube: Sport Barueri em 2010)

Juliano - Novara/ITA

Paulo Assunção - Atlético de Madrid/ESP

Fernando - Aposentado (Ultimo clube: Santo André em 2009)

Magrão - Aposentado (Ultimo clube: Al Wahda em 2011)

Zinho - Aposentado (Ultimo clube: Miami FC em 2007)

­

Atacantes

Thiago Gentil - Sem Clube (Ultimo clube: Nacional/POR em 2011)

Christian - Aposentado (Ultimo clube: Pelotas em 2011)

Itamar - Sem Clube (Ultimo clube: Al-Rayyan/EAU em 2011)

Nenê - Paris SG/FRA

Adriano Louzada - UD Oliveirense/POR

Lopes - Volta Redonda

Juninho - Kawasaki Frontale/JAP

Dodô - Guaratinguetá

Muñoz - Dep. Pereira/COL

Reinaldo - Guaratinguetá

Vágner Love - CSKA/RUS

Anselmo - Atlético-GO
­

sábado, 24 de dezembro de 2011

RELEMBRANDO A INFÂNCIA



É...

Quando você passa dos trinta, parece que aquele menino que você era vai ficando cada vez mais distante...

De vez em quando é bom relembrar dele...

Bola de Meia, Bola de Gude
(14 Bis)


Há um Menino!
Há um Moleque!
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto balança
Ele vem prá me dar a mão...

Há um passado
No meu presente
O sol bem quente
Lá no meu quintal
Toda vez que a bruxa
Me assombra
O menino me dá a mão...

E me fala de coisas bonitas
Que eu acredito
Que não deixarão de existir
Amizade, palavra, respeito
Caráter, bondade
Alegria e amor...

Pois não posso
Não devo e não quero
Viver como toda essa gente
Insiste em viver
E não posso
Aceitar sossegado
Qualquer sacanagem
Ser coisa normal...

Bola de Meia! Bola de Gude
O solidário não é solidão
Toda vez que a tristeza
Me alcança
O menino me dá a mão...

Há um Menino!
Há um Moleque!
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto balança
Ele vem prá me dar a mão...

E me fala de coisas bonitas
Que eu acredito
Que não deixarão de existir
Amizade, palavra, respeito
Caráter, bondade
Alegria e amor...

Pois não posso
Não devo, não quero
Viver como toda essa gente
Insiste em viver
E não posso
Aceitar sossegado
Qualquer sacanagem
Ser coisa normal...

Bola de Meia! Bola de Gude!
O solidário não é solidão
Toda vez que a tristeza
Me alcança
O menino me dá a mão...

Há um Menino!
Há um Moleque!
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto balança
Ele vem prá me dar a mão...

E me fala de coisas bonitas
Que eu acredito
Que não deixarão de existir
Amizade, palavra, respeito
Caráter, bondade
Alegria e amor...

Pois não posso
Não devo, não quero
Viver como toda essa gente
Insiste em viver
E não posso
Aceitar sossegado
Qualquer sacanagem
Ser coisa normal...

Bola de Meia! Bola de Gude!
O solidário não é solidão
Toda vez que a tristeza
Me alcança
O menino me dá a mão...

Há um Menino!
Há um Moleque!
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto balança
Ele vem prá me dar a mão...

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

APOCALIPSE NEWS - 17º EDIÇÃO



"Vereador de Vila Velha apresenta projeto proibindo noivas de casarem sem calcinha"

Que bom que a cidade não tem problemas com alagamentos, com educação, com saúde, com infraestrutura...

Só para lembrar: o nobre vereador que apresentou o projeto, Sargento Ozias (PRB) é o mesmo que queria que passageiros que viajassem em pé pagassem meia passagem nos ônibus municipais

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

TV MALA - 4ª EDIÇÃO

Rita Lisauskas, apresentadora do Rede TV! News

"Apresentadora da RedeTV é tirada do ar após reclamar de salários atrasados no Facebook" (Blog da Fabíola Reipert)

No caso, a apresentadora Rita Lisauskas postou: "Queria só entender como tem 'empresário' que consegue colocar a cabeça no travesseiro e dormir, sabendo que há centenas de profissionais sem salário há no mínimo dois meses bem na semana do Natal"

Deixa ver se eu entendi: parece a história do sujeito que pega a mulher com outro cara no sofá, e como medida, joga o sofá fora. Certo?

EMPREGÃO


Levantamento mostra ranking dos salários dos prefeitos em cada cidade do Estado


O prefeito de Linhares, Guerino Zanon (foto), é o que recebe o maior salário no Espírito Santo: R$ 16 mil.

Veja tabela completa



http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2011/12/noticias/especiais/1064561-levantamento-mostra-ranking-dos-salarios-dos-prefeitos-em-cada-cidade-do-estado.html

Da Redação Multimídia

O prefeito de Linhares, Guerino Zanon (PMDB), é o que recebe o maior salário no Estado: R$ 16 mil. O dado faz parte do levantamento de A GAZETA, feito com 60 dos 78 municípios do Espírito Santo, para identificar um ranking dos salários dos prefeitos em cada cidade.

Com aproximadamente 140 mil habitantes e uma receita de R$ 330 milhões, o prefeito de Linhares ganha apenas R$ 2,6 mil a menos que o governador do Estado, Renato Casagrande (PSB) - que recebe R$ 18,6 mil.

Questionado sobre o subsídio, Guerino diz que não há o que se discutir, pois essas decisões são definidas no último ano da gestão da Câmara. Dessa forma, ele não tem o que criticar ou opinar.

Legalidade

Para Emerson Masullo, professor de Direito da Universidade Católica de Brasília (UCB) e Mestre em Ciência Política, o alto valor não é inconstitucional. "Os limites salariais são estabelecidos com base na maior remuneração paga a quem ocupa a função máxima dentro de cada poder. Assim, no Executivo, o salário está limitado ao teto da presidente Dilma Rousseff (PT), que é de R$ 26,7 mil", explica.

O prefeito de Curitiba, Luciano Ducci (PSB), por exemplo, recebe o maior salário do país, ou seja, ganha o mesmo que a presidente - R$ 26,7 mil, segundo reportagem recente do portal UOL.

Entretanto, Masullo atenta que, apesar dos reajustes fora dos padrões inflacionários não serem ilegais, ferem a moralidade e não seriam éticos.

Reajuste anual

No Estado, há também prefeitos que recebem aumento anual. É o caso de Muniz Freire, em 19º no ranking, e de Venda Nova do Imigrante, em 45º. As Câmaras aprovaram aumentos de 4% a 7%, em 2010 e neste ano.

"Segundo a Constituição Federal, a margem de aumento é de uma revisão anual. Portanto, somente mais de um aumento por ano seria ilegal", explicou o professor Masullo.

Na Capital, o prefeito João Coser (PT) ocupa o 5º lugar do ranking, com um salário de R$ 14,7 mil. Vitória abriga 327 mil habitantes e conta com uma receita de R$1,2 bilhão.

Royalties

Já os municípios que são beneficiados com os royalties de petróleo - Aracruz, Presidente Kennedy e Anchieta - ocupam o segundo, terceiro e quarto lugar, respectivamente.

O prefeito de Aracruz, Ademar Devens (PMDB), recebe R$ 15.656,15 e é alvo de denúncias no município. O Ministério Público do Estado (MPES) pediu seu afastamento na quinta-feira. Ele é acusado de envolvimento no esquema de fraude em licitações de serviços de informática.

Em Presidente Kennedy, Reginaldo Quinta (PTB) ganha R$ 15.100 e, em Anchieta, Edival José Petri (PSDB) tem o salário de R$ 14.812,64. Essas cidades possuem de 10 mil a 70 mil moradores.

As duas cidades que apresentam o maior número de habitantes no Estado e também alta receita, Vila Velha - com 414 mil moradores e receita de R$ 561.349463,3 bilhões - e Serra - com 409 mil moradores e receita de R$ 707.538.442,3 -, também estão entre as primeiras da lista.

Ocupando a 6ª posição, o prefeito de Vila Velha, Neucimar Fraga (PR), conta com o subsídio de R$ 14.450. Já o da Serra, Sérgio Vidigal (PTB), recebe R$ 14 mil mensais, ocupando o 7º lugar do ranking.

É curioso o valor que a Prefeitura de Barra de São Francisco oferece: R$ 13 mil. O prefeito Waldeles Cavalcante, ao administrar uma cidade de apenas 40 mil habitantes e com receita de R$ 58.142.997, recebe quase o mesmo valor que Vidigal, que tem o papel de gerir um município com mais do que o dobro de moradores e também de receita.

O valor mais baixo, de R$ 5.670, é o recebido pelo prefeito de São Domingos do Norte, Elison Compostrini (PSB).

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

RESTAM POUCAS VAGAS



Raramente a listagem dos pilotos praticamente se define com tanta antecedência, a começar pelas principais equipes (Red Bull, Mclaren, Ferrari e Mercedes) mantêm as duplas. Mas, não por muito tempo.

Nos Touros Vermelhos, Mark Webber preferiu ficar na sombra de Vettel a ter que procurar um carro mais lento. Talvez espere andar no mesmo nível do companheiro, como ocorreu em 2009 e 2010.

Em Maranello, Felipe Massa parece estar de aviso prévio, a menos que se iguale a Alonso.

No time de Ross Brawn, Schumacher deve cumprir seu último ano de contrato, e só. O heptacampeão não seguiu o ritmo dos mais novos, seja pelo carro diferente, pelos pneus, ou seja lá o que for.

Nas médias, tudo se encaminha bem:

A Lotus (não mais Lotus Renault), sem Kubica, tirou Grosjean do banco de reservas e trouxe Raikkonenn de volta à categoria. Resta saber se campeão de 2007 terá os mesmos problemas que Schumacher,

Na Williams, Pastor Maldonado continua (powered by PDVSA) e a outra vaga está aberta: Barrichello, Senna, Sutil, Petrov e mais algum portador de um cheque polpudo disputam a vaga.

A Force India mantem Paul di Resta e tira Nico Hulkenberg do banco de reservas.

A Toro Rosso continua sua estratégia de preparar novatos: Ricciardo ganha um carro muito melhor que o Hispania, e Vergne vira titular depois de uma boa passagem pelos curtos testes.

Na Sauber, contunuam Perez e Kobayashi.

Nas menores:

A Lotus passa a se chamar Carterham, e confirma a permanência de Trulli e Kovalainenn.

A Virgin, agora definitivamente Marussia, fica com Glock, que agora tem Pic como companheiro.

Restam as vagas na Hispania... quem pagar senta, e sofre.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

CANELEIROS - 21 ª EDIÇÃO



Gol do Barcelona!


Nosso "Estado Maior" foi em peso para o Japão: o editor Astrosomildo Peçanha, o chefe de reportagem Demonésio Alencar, e o diretor de jornalismo Surubaldo Maciel, todos devidamente acompanhados de suas "amigas".  Afinal, levar a patroa em uma bocada dessas é como levar marmita para o restaurante...

Gol do Barcelona!


Lá no meio dos Japas, era a vez de mostrar a superioridade do futebovel sul-americano contra esses jogadorezinhos de modinha. Era a hora de mostrar a superioridade do futebol pentacampeão do mundo, o futebol alegre, o futebol de Ganso, de Neymar...

Gol do Barcelona!


Mas, o que houve?

Gol do Barcelona!

Teria Neymar se rendido aos encantos de alguma gueixa?

Gol do Barcelona!

Muriçoca teria recebido a consultoria de Celso Roth?

Gol do Barcelona!


Durval tinha concreto no forro da chuteira?

Gol do Barcelona!


Aguardem, nossa intrépida equipe decifrará os mistérios...

Gol do Barcelona!


Agora, temos que suportar essa "barcelonice". Inclusive com sotaque: "Valdês, Dâni Alves, Piquê, Pujol, Abidál, Búsquets, Xávi, Iniêsta, Mêssi, Césc... o Thiago é brasileiro mesmo...

Daqui a pouco vão dizer que o Busquets é melhor que o Williams, que o Iniesta joga mais que o Luan, que o Abidal é melhor que o Cortez...

Mas, mudando de assunto...

NOTÍCIAS DESIMPORTANTES - 22ª EDIÇÃO




"Pesquisa indica que consumo de álcool está proporcionalmente ligado ao sexo sem proteção” (Jornal A Gazeta)


Incrível como gastam dinheiro com essas pesquisas. Seria o mesmo que dizer que cegos ao volante têm maior probabilidade de se acidentarem

APOCALIPSE NEWS - 16ª EDIÇÃO




“Na Convenção do Democratas, o Senador Demóstenes Torres lança a sua candidatura à Presidência” (Folha Poder)


O PCO finalmente terá uma chance de não ficar na lanterna.

domingo, 18 de dezembro de 2011

MEUS COMENTÁRIOS DO JOGO









É PRECISO SABER PERDER



O sonho mal deu para o começo do jogo: a confiança santista era posta a prova nos primeiros minutos; com o primeiro gol, veio o baque; com o segundo, o choque de realidade; com o terceiro, o choque de realidade; com o quarto, as terapias coletivas de praxe.

O que teria havido?

O plano de jogo traçado por Muricy foi incapaz de deter o insinuante jogo blaugrana?

Uma falha de Durval no primeiro gol pôs tudo a perder?

Ganso teria pipocado e confirmado a precoce descendente de sua carreira?

Neymar foi isolado, ou demonstrado que ainda não está pronto para ser uma estrela mundial?

Dependendo daquilo que você prefere crer, nenhuma, uma ou mais de uma das alternativas anteriores estão corretas, ou até todas. Mas, em um dos raros momentos de lucidez, a mídia e a torcida brasileira reconhecem a superioridade de um adversário, que diga-se de passagem, não é um adversário qualquer.

Mas, que lições tirar ou copiar do Barcelona?

Ao meu ver, são muitas: a começar pelo trabalho a longo prazo, desde a base, onde se não um esquema tático, mas uma metodologia de trabalho (detesto o termo filosofia nesse caso) é aplicada. Dos titulares de hoje, apenas Abidal e Daniel Alves (considerando-se os "resgates de Piqué e Fabregas) não foram formados em La Masía, a mítica escola de base culé.

Isso também passa pelo treinador: mesmo não egressos da base, há uma cobrança para que se jogue segundo um padrão definido. Que o diga Louis van Gaal, que mesmo bicampeão espanhol nos anos 90, caiu em desgraça com a torcida pelo estilo burocrático adotado.

A escolha de jogadores também é importante: nas arquibancadas, se diz que para o jogador, tão importante quanto o salário, é a camisa que ele enverga. As estrelas do elenco atual primam pelo jogo coletivo, até mesmo Messi, a estrela maior da companhia. Ibrahimovic não se enquadrou no jogo coletivo, e terminou na reserva a temporada que começara como candidato a melhor do mundo; Eto'o não demonstrava muita vontade em ficar, e foi negociado; Ronaldinho achava a noite de Barcelona mais interessante que o Camp Nou, e também foi negociado; assim como foram Ronaldo (que achava o futebol italiano mais atraente) e Romário (louco para voltar ao Rio de Janeiro).

Uma estrutura dessas não se sustenta sem dinheiro, que vem de uma agressiva e eficiente visão mercadológica: a globalização do futebol permitiu que a marca Barcelona se expandisse pelo mundo. A abertura para que se estampasse anúncios publicitários na camisa permitiu a entrada de dezenas de milhões de dólares anuais, isso sem contar um pesado dinheiro com licenciamentos e associados. O Camp Nou recebe 80 mil pessoas em média na Liga Espanhola.

Não dá para pensar que em curto prazo o futebol brasileiro alcançará esse nível: para isso, é preciso muito tempo e continuidade de trabalho, algo difícil de explicar para a cartolagem. Talvez eu comparasse esse processo com a derrocada do feudalismo, que levou séculos.

Não se considera aqui que o futebol brasileiro está superado, como se levantou hipoteticamente ontem no debate da TV Brasil. Talento aqui se tem em ótima qualidade, mas há que se reconhecer que falta aos times brasileiros jogo coletivo, coisa que raramente se vê por aqui.

Um erro crasso que o Santos cometeu, e que os times brasileiros cometem com frequência quando se preparam para o Mundial é perder o que se pode definir como espírito de competição. Os alvinegros abandonaram o Campeonato Brasileiro e perderam o ritmo de competição na maior parte do segundo semestre. O discurso de desimportância do torneio nacional perante o desafio de Dezembro fora a a justificativa.

Desde os anos 90, essa é a décima vez que uma equipe brasileira vai ao Mundial.

Em 92, o São Paulo disputou as duas finais do Paulista, intercalados pela vitória contra o Barcelona.

Em 93, o mesmo São Paulo disputava o quadrangular semifinal do Brasileiro até uma semana antes do jogo contra o Milan.

Em 95, o Grêmio se contentou com o meio da tabela, e perdeu para o Ajax.

Em 97, o Cruzeiro desmontou o boa parte do time campeão da Liberadores, perdeu o treinador, esteve ameaçado de rebaixamento no Brasileiro, contratou três jogadores só para o jogo contra o Borussia e levou um passeio.

Em 98, o Vasco seguiu o mesmo caminho do Grêmio, abusando de times mistos no Brasileirão, e perdeu para o Real Madrid.

Em 99, o Palmeiras fez um Brasileirão para lá de instável, chegou com o time indefinido ao Japão, e perdeu para o Manchester Unidet.

Em 2005, a exceção: o São Paulo ficou em 11º no Brasileiro, mas foi campeão mundial.

Em 2006, o Inter manteve o ritmo, foi vice no Brasileiro e campeão mundial.

O mesmo Inter, quatro anos depois, fizera um Brasileiro cheio de altos e baixos, mas achou que faria um jogo apenas protocolar contra o Mazembe. Deu no que deu.

Ficam as lições. Mas fica também que o jogo de ontem não representa decadência irreversível do futebol brasileiro, assim como não representa um incidente isolado.

sábado, 17 de dezembro de 2011

PRESENTE DE FIM DE ANO

VALE OU NÃO VALE?




Mundial de Clubes, Toyota Cup, Torneio Intercontinental...

O que era disputado entre os campeões de Europa e América do Sul antes de a FIFA "assumir" a competição em 2000, guardá-la na geladeira até 2005, e retomá-la daí em diante?

Quando Peñarol e Real Madrid entraram em campo, em 1960 estavam disputando a primazia do mundo ou somente de dois continentes?

Será que Santos, Flamengo e Grêmio (além do São Paulo em 92 e 93) conquistaram o mundo, ou só venceram um torneio amistoso?

A competição começou com a iniciativa do presidente do Real Madrid, Santiago Bernabeu, retomando a ideia do já falecido Secretário-Geral da FIFA, Henry Delaunay, que só não viu a competição se realizar antes pela falta de uma competição regular e oficial de clubes sul-americanos.

A Copa dos Campeões já existia de 1955 e a Taça Libertadores só foi criada em 1960.

Nos anos 70, desestimulados pelo calendário apertado e alegando falta de segurança dos estádios sul-americanos, os clubes europeus praticamente minguaram a disputa. Em 71, 73, 74, 77 e 79 a UEFA mandou o vice-campeão, e em 75 e 78, a taça sequer foi disputada.

Em 1980, com o patrocínio da montadora japonesa, a final passou a ocorrer em jogo único, sempre no Japão.

O fato é que enquanto os sul-americanos chamavam a Taça de "Mundial", os europeus a viam como "Intercontinental". A "maior das conquistas", ou uma "taça a mais". Essa é a diferença até hoje.

Por mais que se defenda o "Mundial", é inegável que os europeus têm na Liga dos Campeões o grande título da temporada

Em 2000, o torneio organizado pela FIFA no Brasil (com times de todos dos continentes) pôs em xeque os quarenta anos de disputa anteriores. A FIFA, de fato, nunca reconheceu os campeões anteriores. Assim como nunca reconheceu os campeões de 2000 até 2004, hiato entre o primeiro e o segundo torneio com chancela da entidade.

Torneio que retornou em 2005, e é disputado anualmente desde então em terras nipônicas, com uma passagem em 2009 e 2010 pelos Emirados Árabes.

Retomando a pergunta do título do post: vale ou não vale?

Claro que vale!

Tirar do quarteto citado o título de Campeão Mundial é covardia. Até porque, desde a entrada de times de outros continentes, somente o único que furou a final de europeus e sul-americanos foi o Mazembe.

Santos e Barcelona entrarão em campo amanhã pelo Mundial de Clubes, fato.

E por mais que os "legalistas" resistam, os alvinegros estarão em sua terceira final, buscando seu terceiro título. Assim como os blaugranas estarão em sua quarta final, buscando seu segundo título.

O resto é churumela flácida para acalentar bovinos, ou conversa mole para boi dormir.

APOCALIPSE NEWS - 15ª EDIÇÃO



"Comerciária recorre de multa por falta de cinto de segurança em São Paulo" (IG)

A notícia  não teria nada demais, salvo um "detalhe": o veículo que a reclamante conduzia era uma moto!

TRANSBORDANDO



















Sou com um copo, um copo de grande capacidade, diga-se de passagem.

Quase a de uma garrafa.

Poucas vezes transbordo.

Por vezes, estou prestes a transbordar, mas o calor do ambiente faz o líquido evaporar.

Esse copo representa a minha paciência.

Digamos que nos últimos dias, o copo tem em média, 90% de ocupação.

Mas, pode transbordar rápido, e a qualquer momento.

E quando uma pequena parte do líquido transborda, o copo estoura.

Estouro com efeitos semelhantes a de uma bomba arrasadora.

Destruição tamanha que leva um bom tempo para a reconstrução.

Se é que há o desejo de reconstrução.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

TODOS IGUAIS...



Ainda não li "Privataria Tucana", de Amaury Ribeiro, mas quem o leu diz que as denúncias são pesadas em embasadas.

Se tudo for confirmado, é mais uma prova documental que petralhas e tucanalhas são farinha da mesma espécie, embora de sacos diferentes.

Serra, Aécio e FHC desqualificaram o livro e o autor, assim como a turma do Lula fez com as revelações de suas traquinagens.

A mídia pró-tucana tentará varrer a sujeira para debaixo do tapete, assim como a mídia pró-petista o fará.

Haja tapete!

Não sou da "mídia limpinha", nem sou "blogueiro sujo". Não tenho partido.

Posso opinar como eu quiser, sem que ninguém tenha o direito de me chamar de "rabo preso".

Me defino como de esquerda, mas não da esquerda brasileira que se alia ao que há de pior em nome da tal governabilidade.

Também não desprezo alguns direitistas sinceros, principalmente aqueles que defendem o lado econômico liberal, o qual eu critico.

Com essa "catigoria" de políticos e jornalistas, eu definitivamente, não comungo

APOCALIPSE NEWS - 14ª EDIÇÃO




"Ricardo Teixeira e Ronaldo recebem Romário nesta sexta-feira no Rio de Janeiro" (UOL Esporte)

Como diria o personagem de "Carga Pesada"...

É UMA CILADA, BINO!

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

RESULTADOS ESPERADOS



Hoje foi dia de Barcelona e de Tottenham, bebê!

De manhã, o Barça enfrentou o Al-Saad, do Qatar. Se os santistas esperavam que os catalães vencessem para realizar o esperado confronto, saíram satisfeitos; se esperavam uma milagrosa derrota para facilitar o caminho rumo ao título, era melhor escrever uma carta mais veemente para o Papai Noel.

O Barça já entrou com uma penca de reservas, perdeu Villa (uma fratura que deve o afastar por até seis meses), mas venceu sem esforço.

Ao final da partida, Guardiola disse que era hora de estudar o Santos, time que admitiu desconhecer. Natural.

Se fosse apostar dez fichas, apostaria oito nos culés. Mas como é um jogo só, uma falha individual, uma expulsão, um erro de arbitragem, um dia ruim de um ou uns jogadores, ou um lance isolado pode decidir tudo. Assim como foi em 2006, quando um contra-ataque deu o gol ao Inter.

Aliás, por onde anda o Gabiru?

De tarde, o Tottenham foi para uma missão impossível: vencer de goleada o Shamrock, em Dublin, e torcer para que não houvesse um  empate entre Rubin Kazan e PAOK. A primeira parte da missão não foi tão difícil (4 a 0), mas o deu empate na Rússia.

Talvez, o pensamento de torcedor possa dizer que houve marmelada. Não dá para dizer, afinal o jogo terminou 1 a 1. Uma marmelada de 0 a 0 seria mais "confiável" entre as partes.

Agora, para os Spurs, resta a FA Cup e a Premier League. Uma pena: a UEL ficou muito interessante com os eliminados na primeira fase da UCL, como os dois times de Manchester.

Não adianta reclamar agora: no quadrangular, o Shamrock entrou para dar pontos para os outros, perdendo para todo mundo. E no "triangular" entre os restantes, o Rubin fez seis pontos, o PAOK cinco e o Tottenham quatro. Perder para os gregos em casa foi decisivo.

DEFENDENDO A PIRATARIA

PROCESSO INCOMUM


 

Não me surpreenderia se o Judiciário recebesse três processos relativos aos alagamentos que assolam Vila Velha, e todos eles tendo como reclamantes as “otoridades” que gerem o município Canela Verde.

O primeiro reclamante seria São Pedro. Há anos ouço dizer que os alagamentos são responsabilidade da quantidade de chuvas que de vez em quando assolam e alagam essa terra. “No período x, a precipitação pluviométrica foi y, enquanto o esperado para o período era z”. 

Esse discurso pronto sempre é repetido, como se fosse a saída (ou desculpa preferencial) para nossos governantes.

Pois é. Só que especialmente na última década a quantidade de chuvas “acima do esperado” se repete com frequência sem que nada seja feito. É como um desastre anunciado contra o qual pouco ou nada se faz, além de paliativos ou projetos de parcerias com os Governos Estadual ou Federal que nunca se efetivam.

O segundo reclamante é o mais novo: Poseidon, se você é adepto da Mitologia Grega, ou Netuno, caso prefira a Mitologia Greco-Romana. No caso, optemos por Poseidon, senhor dos mares, e obviamente, das marés. Nos períodos em que os Canela Verde estão submersos, a maré passou a ser responsabilizada, amparada por um estudo técnico que se debruçou sobre o tema.

Longe de mim contestar a opinião de especialistas, mas mantenho a decisão de contestar a opinião dos governantes. Altas na maré são sazonais e é claro, se combinados com grande quantidade de chuva, provoca os alagamentos. Mas, insisto na tese de defesa de São Pedro: já que isso é sabido, o que é ou foi feito de prático para pelo menos reduzir os transtornos?
O terceiro reclamante é o mais importante; o próprio Criador. A topografia com que Ele concebeu a nossa cidade também é apontada como culpada pelas catástrofes. Nesse caso, as desculpas de nossos gestores é ainda mais infundada, já que desde que os primeiros seres humanos chegaram por aqui, a topografia é conhecida.

Outras cidades ou regiões têm topografia semelhante à Vila Velha e nem por isso, os efeitos do alagamento são tão nocivos. E não venham com a comparação orçamentária: as obras de prevenção em Vitória datam de décadas atrás, quando a capacidade de investimento da Ilha do Mel não eram tão superiores às de nossa Veneza Capixaba.

Aliás, uma bobagem é comparar Veneza com Vila Velha. Veneza faz das águas um atrativo turístico, ao contrário de Vila Velha, que tem nas águas algo que atormenta os seus moradores. Moradores, que têm culpa também nos alagamentos, na medida em que entopem bueiros e todo tipo de escoamento de água que poderiam minimizar o desastre. Mas, está para nascer o político cabra-macho que tem coragem de enfiar o dedo na cara do eleitorado e responsabilizá-lo. Talvez porque sinceridade e política não combinam.

É loucura condenar exclusivamente o Prefeito Neucimar Fraga pelo caos trazido pelas chuvas. Mas inocentá-lo é impossível: suas promessas de campanha diziam ser possível dar um grande passo para evitar a submersão da cidade que pretendia administrar. Dizia ter respaldo do então Governador Paulo Hartung e de privar da intimidade do então Presidente Lula. Segundo o então candidato, Lula o chamava de “Cimar”. Intimidade que não se reverteu em ajuda.

No fim do ano, na inauguração (sem que a obra estivesse concluída) do viaduto no cruzamento da Rodovia Darly Santos com a Avenida Carlos Lindemberg, foi feito um festão de despedida para Hartung, com direito a um longo discurso de Neucimar, que em tom hagiográfico, falou mais que o próprio homenageado. No mesmo dia em que o prefeito festejava, a cidade estava alagada. No mesmo período, falando na Rádio CBN, Neucimar afirmou que precisava de R$ 500 milhões e 6 anos para solucionar os problemas dos alagamentos. Pois é, levou dois anos para descobrir que seu compromisso de campanha não se efetivaria.

Não por acaso, boa parte da população não aprova a administração. Segundo o Instituto Futura, dois terços da população desaprovam seu trabalho. Segundo um de seus defensores em redes sociais, a avaliação é duvidosa, pois estaria atrelada à baixa arrecadação e o baixo investimento publicitário da municipalidade. Segundo seu tacanho raciocínio, os prefeitos de Vila Velha e Cariacica teriam baixa aprovação, ao passo que os pesados investimentos em publicidade de Vitória e Cariacica trariam a “simpatia” dos institutos de pesquisa.

Sujeito tolo, para dizer o mínimo. Fosse assim, as popularidades de Sérgio Vidigal não estariam em queda livre, coisa que o próprio Futura atesta. Será que as prefeituras estariam secando a torneirinha das agências de propaganda?

Nem mesmo os recentes investimentos midiáticos parecem fazer efeito: nem mesmo com um show a cada asfaltamento inaugurado, a popularidade do Prefeito cresce.

E tem mais: fosse a popularidade de Neucimar mais alta que seu defensor afirma, por que será que seus dois principais adversários, Max Filho, Hércules Silveira e Cláudio Vereza conseguiram votação expressiva no município, apesar da regra proporcional ter impedido a votação do primeiro? E por que será que Ledir Porto, seu pupilo e que contou com seu empenho pessoal, naufragou nas urnas?
Nesse processo, sou testemunha de acusação, sem que haja interesse espúrio em prejudicar o réu em questão. Sou cidadão e tenho o direito constitucional de exercer na opinião, que por sinal, não é agressiva, baseada apenas em fatos, carregados de ironia, é verdade. E não confundam ironia com deboche.

Outra defensora do prefeito nas redes sociais, disse para eu me candidatar no próximo pleito. Lamento, minha cara, mas política é uma coisa para a qual o meu estômago não está preparado. Mas assumo o compromisso de me engajar em uma candidatura que tem mais a contribuir para o desenvolvimento de Vila velha do que o atual mandatário: O MOSQUITO. O mesmo Mosquito que foi impedido de assumir o Executivo Municipal após a as esmagadora votação de 1987.

Um administrador deve ser cobrado segundo os compromissos que assume, e levando em consideração o que foi feito até agora, o atual prefeito merece estar no banco dos réus, ao lado de seus antecessores.

E que São Pedro, Poseidon e O Criador fiquem tranqüilos: não é preciso nenhuma banca de advogados de primeira linha para ganhar a causa.